Cinco erros mais comuns ao criar uma marca.

Geralmente, quando se pensa em um nome para uma empresa ou produto, recorremos a um profissional, ou a um amigo para desenvolver uma logomarca, uma figura ou um símbolo que represente e identifique a nossa empresa dentre os demais concorrentes, e que de certa forma esta marca consiga traduzir a qualidade de nossos produtos e serviços.

Mas para quem quer ter uma marca exclusiva deve atentar para alguns fatos como: A única forma de ter exclusividade sobre uma marca é registrando-a junto ao INPI, e para que uma marca seja registrável, ela deve apresentar:

Veracidade, Liceidade, Distintividade, Disponibilidade, ou seja, uma marca não deve passar nenhum tipo de informação enganosa ao consumidor; O sinal deve ser lícito, não podendo atentar contra ordem pública, a moral e os bons costumes; Deve apresentar característica distinta de tudo o que já está registrado; E é indispensável verificar a disponibilidade da marca antes de entrar com o pedido de registro.

Mas justamente dentre os erros mais comuns ao criar uma marca temos:

5 erros

  • Não verificar se a marca está livre para registro. Fazer uma busca de anterioridade da marca evita muitos prejuízos, como ter que alterar o nome da marca no meio do “caminho”, ou de ser autuado por uso indevido de marca requerida ou registrada.
  • Copiar uma marca já existente ou parte dela. Achar que se alterar uma letra, inverter as cores do logo, não haverá problema nenhum. Além ser caracterizado como plágio, mostra uma total falta de criatividade. Se uma marca tiver a mesma aparência de uma outra marca, simplesmente ela não cumpre a sua função principal, que é ser exclusiva, diferente e identificável dentre seus concorrentes. Pegando como exemplo esta imagem ao lado.
  • Incluir um sinal ou expressão empregada apenas como meio de propaganda.  Geralmente são frases que visam atrair a atenção dos consumidores, ou são adjetivos que visam destacar o produto ou serviço em relação aos concorrentes. Não há problema nenhum em criar um slogan ou frase de efeito, o que não pode é querer registrá-lo como marca, por que não se trata de uma marca propriamente dita. Neste caso pode-se apenas registra-la como base nos direitos autorais.  
  • Criar uma marca para produtos e serviço que não se pode comprovar a atividade legalmente. Quando se cria uma marca, a intenção é comercializar algum produto ou serviço, desta forma só podem requerer o registro de marca relativo às atividades que exerçam efetiva e licitamente, sob pena da Lei.  Isso vale para pessoas físicas, jurídicas, e profissionais liberais.
  • Criar um logo de duplo sentido e inadequado. Pode até passar despercebido num primeiro momento, mas quando notado, além de prejudicar a imagem da empresa, marcas que atentem contra ordem pública, a moral e os bons costumes também não são registráveis.

Por isso muita atenção na hora de criar uma marca para sua empresa, produto ou serviço, pesquise bem, se informe e converse com especialistas, tire todas as suas dúvidas, afinal de contas estamos falando na construção de uma marca que potencialmente pode se tornar o maior patrimônio de uma empresa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *